Encerramento de fim-de-semana* - Dás-me uma Estrela //Parte II


Vou de fim-de-semana adiantado... tudo porque a Nebula, produtora onde trabalho, vai estar envolvida num projecto enorme, e eu faço parte da equipa! Não podia estar mais excitada com as minhas tarefas, e já não durmo há muito tempo com o peso da responsabilidade.
Como o segredo é a alma do negócio, não posso levantar o véu do que vamos fazer, mas garanto que assim que estiver pronto, tudo sai cá para fora... com qualidade e muito profissionalismo.
Assim, e porque não gosto de deixar o blogue ao abandono, vou deixar-vos mais um pouco do Dás-me uma estrela...
Para aqueles que não leram a primeira parte, basta clicar aqui, e depois continuar adiante e adiante!
Boas histórias, malta! Vou Nebular***



-                    Não vens comigo, fadinha? – perguntou a Ana com medo de entrar sozinha no mar.
-                    Vou, mas eu não preciso de pó cintilante!
As duas amigas entraram na água cheias de determinação. O fundo do mar era tão bonito... peixinhos de todas as cores, tamanhos e feitios, corais, plantinhas sub-aquáticas e...
-                    Espera lá! – Disse a Ana a olhar muito espantada para trás de uma rocha. – Está ali uma menina!
-                    Hahahaha! – Riu-se a fadinha – Não é uma menina, Ana. Olha bem para o corpo dela: é metade peixe... ela é uma sereia!
-                    Eia! Vou falar com ela, pode ser que tenha visto a caneta mágica. – Disse a Ana, indo para o pé da sereia de cabelo cor-de-rosa. – Olá! Sou a Ana, e procuro a caneta mágica que o Senhor Sol ofereceu à Dona Lua. Ela está tão triste por não a ter... é que como ela não tem mãozinhas, deixou-a cair aqui no mar!- disse a Ana tentando convencer a sereia a ajudá-la.
-                    Olá Ana. – Cumprimentou a sereia. – essa caneta está guardada num cofre que está escondido e bem fechado no fundo do mar. Como as sereias é que guardam todos os tesouros dos oceanos, só te posso dar a caneta se provares que és uma boa menina...
-                    E como é que eu faço isso?
-                    É fácil. Vou-te fazer duas perguntas, e tu vais ter de dizer a verdade.- disse a linda sereia com dois dedos levantados no ar.
-                    E como sabes se estou ou não a dizer a verdade? – Perguntou a Ana com ar trocista.
-                    As sereias têm o poder de sentir a verdade e a mentira, por isso não há que enganar! – Disse a sereia, agora bem mais perto da Ana. – Estás pronta?
-                    Ssiim.....
-                    Então aqui vai: Todos os dias, os humanos como tu e como os teus papás fazem mal ao Planeta Terra. Usam em demasia os recursos como a água e as plantas sem precisarem, e causam muita poluição. Essa poluição faz dodóis na Terra no mar e no céu, incluindo a todos os animais indefesos. Dá-me um bom exemplo de como tu utilizas a água em tua casa.
-                    Hmmm...- pensou a Ana – Lá na minha casinha a mamã e o papá ensinaram-nos que devemos poupar a águinha  no banho e ao lavarmos os dentinhos, fechando a torneira sempre que não a estamos a utilizar. Poupamos água na descarga quando vamos à casa de banho.... e o papá poupa muita água na rega do quintal! – Terminou a Ana com ar triunfante.
-                    Muito bem Ana! – Disse a sereia, sabendo que a Ana dizia a verdade. - E espero que continuem assim, pois fazem o planeta feliz.
-                    Boa! Boa! Só falta a segunda pergunta! – cantarolava a fadinha mágica saltitando e batendo palmas de alegria.
-                    A segunda pergunta – dizia a sereia – é por mera curiosidade... Para que queres tu levar caneta mágica à Dona Lua?
-                    Foi uma tarefa ela me deu para que eu pudesse em troca levar uma estrelinha do céu para o meu mano. Se conseguir levar-lhe a caneta, só terei de realizar mais uma tarefa para ter a estrela! – Respondeu a Ana sem hesitar. Afinal, a pergunta era tão fácil!
-                    Muito bem, Ana. É muito bonito da tua parte estares a passar por todas estas tarefas para levares uma estrelinha que nem é para ti. Deves gostar muito do teu mano. – Disse a sereia comovida.
-                    Sim, sereia... gosto muito de ver o meu mano feliz.
Depois de tão bonita afirmação, a sereia entregou à Ana uma bonita chave feita de coral e conchinhas e indicou o caminho mais rápido para chegarem ao baú do tesouro onde estava guardada a caneta mágica da Dona Lua.
As duas amigas despediram-se da bonita sereia e foram para as profundezas do mar.
Conforme desciam, notaram que tudo escurecia à sua volta.
-                    Fadinha, assim não vemos nada! Está tão escuro aqui! – Disse a Ana com medo.
-                    Não te preocupes, Ana... vou chamar os peixinhos pirilampo para nos iluminarem o caminho! – disse a fadinha, que logo a seguir começou a cantarolar:

“Peixinhos do mar
Peixinhos do mar,
Tragam uma luz para nos iluminar!”

Em poucos segundos, milhares de peixinhos pirilampo começaram a iluminar a estrada do fundo do mar para que a Ana e a fadinha pudessem ver por onde iam. Lá mesmo no fundo, as duas avistaram o baú.
-                    Olha, fadinha! Está ali! – Disse a Ana com uma voz muito feliz. – Corre, vamos!
As duas amigas começaram a correr muito depressa, e num instante chegaram ao tesouro guardado.
A Ana girou a chave no cadeado e logo abriu o baú.
Tal não foi o seu espanto quando descobriu que o cofre continha um grande tesouro: pedras preciosas, ouro, prata... e no topo de todas estas coisas brilhantes, estava a caneta mágica da Dona Lua, feita de ouro e cheia de estrelinhas desenhadas.
-                    Ena! Que tesouro grande! – Disse a fadinha. – levamos tudo connosco?
-                    Não, fadinha. Levamos só a caneta da Dona Lua – disse a Ana retirando a caneta com muito cuidado.
-                    Ana! Já quase não tens pózinho mágico! Temos de voltar já lá para cima antes que acabe! – Disse a fadinha muito assustada, apontando para a Ana.
-                    Nós podemos ajudar! – Disseram os peixinhos pirilampo, formando uma jangada iluminada ao ficarem muito juntinhos. – Subam as duas para cima de nós!
As amigas assim o fizeram e levantaram voo das profundezas do mar.
            Ao olhar para trás a Ana viu a sereia mágica junto do baú do tesouro a dizer adeus às duas.
-                    Ufa! Vês como foi bom não termos levado nada a mais do baú, fadinha? – Disse a Ana piscando o olho.
As duas amigas chegaram tão depressa à tona da água que o resto de pó mágico nem teve tempo para desaparecer por completo.
Aos pulos, o cãozinho Feijão esperava as duas, impaciente para voar outra vez.
Pouco tempo depois, já os três aventureiros estavam a voar a caminho da Lua, felizes por terem a caneta que ela tanto queria.
-                    Olá meninos! – cumprimentou a Dona Lua com um grande sorriso – trouxeram a minha caneta mágica?
Muito orgulhosa, Ana tirou a caneta do bolso do pijama e esticou o braço para a mostrar à Dona Lua.
-                    Oh... Já não me lembrava do quanto ela era bonita. Mas não mas dês, Ana. Não a quero deixar cair outra vez. Em vez disso, vou dar-te a tua segunda tarefa: Quero que me escrevas uma canção no céu, para que eu a possa ler sempre que anoitecer.
-                    Bem... – disse a Ana a hesitar – mas olha que a minha letra ainda não é muito bonita, Dona Lua. Estou no primeiro ano da escola, ainda estou a aprender a escrever! – A Ana estava mesmo com muito medo de desapontar a Dona Lua. E se ela não gostasse da canção? E se a Ana escrevesse com erros?
-                    Então esta é a tarefa ideal para ti, Ana. – Disse a Dona Lua, convencida de que tinha encontrado nesta simples tarefa a maior dificuldade da Ana. – Abre a tampa da caneta e mostra-me o que sabes fazer, escrevendo uma canção para mim.
Ainda nas costas do cãozinho Feijão, a Ana olhou para baixo, para a Terra, e pensou no mano Pedro a dormir descansadinho, e pensou em como queria tanto fazê-lo feliz. Até ali já tinha passado por tarefas tão difíceis que não podia desistir agora.
Assim sendo, abriu a tampa da caneta mágica, esticou o braço e começou a escrever...




Continua em breve! Have a nice weekend!!!**



Sem comentários:

Enviar um comentário