Para os que estão lá por fora*

Ainda estou a viajar com o que nos aconteceu.
Sinto que é tudo um sonho e que em breve vou acordar...
Depois de alguns pedidos, decidimos fazer legendas em inglês para o "Só de mim", com a ajuda da Susana Santos, que começou a trabalhar no vídeo de imediato.
Espero que chegue agora mais longe, e que inspire os menos inspirados por aí... que espalhem amor e prelimpimpins*
Dão-nos uma ajudinha especial aí desse lado? Não se esqueçam de referir que é um vídeo da Diffuse!


Quanto à música original, temos recebido alguns emails aqui na Diffuse também... mas neste aspecto, tudo se torna bastante mais pessoal:
Como sabem a música foi feita pelo Alexandre Pereira, o "Miguel", meu namorado, amor da minha vida... E esta mesma música, foi a minha prenda de São Valentim.



Vou partilhar a melodia convosco em breve, mas para hoje, ficamos pelo vídeo com legendas em inglês, pode ser? 
Sinto que ainda preciso de mais uns momentos a sós com ela, de a ter minha e especial por mais um bocadinho. Depois, quando me sentir pronta para a partilhar, serão imediatamente informados, e ela estará disponível para download e tudo. (Posso ter direito ao meu momento egoísta do dia?)
:)
Vamos apontar para Segunda-feira de manhã, hmm?
Aqui, no Doce para o meu Doce... está na minha agenda*


Por hoje, vou aproveitar a Sexta-feira solarenga que temos, e preparar-me para um fim-de-semana de descanso, coisa que já não tenho há algum tempo.
Beijinhos a todos desse lado! Espero que tenham um dia maravilhoso*

PLIM*

8 comentários:

  1. Boa noite! Fiquei super emocionada quando vi o video...é simplesmente lindo! Publiquei no meu blogue, espero que não se importe...Bjs

    ResponderEliminar
  2. Muitos Parabéns!E obrigada pela partilha de tão grande emoção.

    tina

    ResponderEliminar
  3. Olá! Estou completamente maravilhada e extasiada e tanta coisa que nem tenho palavras.
    Vi que grande parte dos meus amigos facebookianos partilharam o vídeo no dia dos namorados mas só hoje é que tive tempo de o ver realmente e ainda bem que o vi porque adorei e senti que havia qualquer coisa de familiar nele. Assim que o acabei de ver e fui tentar perceber o que era isto realmente, vim imediatamente cá parar a este blog, como é obvio.
    Mal olhei para a foto pequenina no lado esquerdo, não precisei de confirmações: percebi logo quem tu eras e soltei um grito de exclamação do genero "NAO ACREDITO! A MARAFADA!"

    Foste minha monitora no Cadaval, no Verão de 2007, no Cadaval. Só lá estiveste um dia, tiveste de ir embora porque tinhas exames na faculdade por isso de certeza que não te lembras de mim. Mas isso não é mesmo importante, o importante é que eu lembro-me de ti perfeitamente, como de certeza não imaginas. Acontece que hoje também sou monitora de colónias de férias (tirei o curso há dois anos) e acho que isso se deve um bocadinho a ti também. Penso em ti muito mais do que possas imaginar. Acho que no fundo sempre foste o modelo que procuro seguir. E sei isso porque sei que a reacção que tive quando te "descobri" não seria igual se fosse outra pessoa. Pode parecer um exagero, e talvez seja visto que tive mesmo pouco tempo contigo no Cadaval. Mas tu sabes que aquele sítio tem uma energia especial que faz com que as pessoas que conhecemos fiquem coladas a nós de uma maneira inexplicável. E quando se tem 15 anos, essas pessoas fazem parte daquilo que nos tornamos, da pessoa que nos formamos. E foi o meu caso. Porque sempre que pego na guitarra pra cantar alguma música aos miudos, canto as musicas que me lembro que tu cantaste, da maneira que cantaste porque cativavas tudo e todos com uma borboleta desenhada na guitarra. Porque me lembro exactamente do lenço que tinhas na cabeça e de nos convenceres que era mesmo fixe usar lenço e dessa forma conseguiste que as miudas todas andassem protegidas do sol quando achavam que eram demasiado fixes pra usar chapeu. Porque ainda hoje ando com um bilhetinho de um lado para o outro com a letra da "Epidemia do Se" que me escreveste por trás dum papel da tempo aventura. Cantaste esta música uma vez e eu quis tanto ter a letra que não te deixei ires embora sem que a escrevesses para mim. E nunca mais ouvi a música e desde que sou monitora que pergunto aos meus colegas e a toda a gente que trabalha comigo se conhece e nunca ninguem conhece mas nunca me esqueci da melodia. Porque também queria parecer completamente livre e à vontade como tu parecias. E falar como tu. E fazer parvoíces como tu. E acho que tento sê-lo a cada dia que passa. Obvio que isto é inconsciente. Mas hoje armei-me em terapeuta e percebi o impacto que tiveste em mim. (e é engraçado porque também so agora percebi que não sabia qual era o teu nome! Sou capaz de me lembrar dos pormenores mais rídiculos mas não me lembrava do teu nome e nem dava por isso.)

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. (continuação)

    Estive horas a explorar o teu blog todo e fiquei mesmo entusiasmada e senti-me mesmo feliz por te "ter encontrado" de maneira tão engraçada. A verdade é que deixaste muito de ti em mim, lembro-me muito bem de ti e deixou-me até um pouco emocionada ver que és exactamente aquela pessoa que pareceste ser em tão pouco tempo, num Verão há 5 anos atrás. Tudo neste blog, cada detalhe, as coisas que escreves, aquilo que mostras, tudo. É exactamente a imagem que tinha na minha memória. E isso é verdadeiramente bonito.

    Posso estar a ser um bocado assustadora :P Pensei que se calhar não valia a pena dizer nada. Mas é uma pena que hajam tantas palavras que fiquem por ser ditas e, pior, tanta gente que fica por ouvi-las. Por isso, e sem qualquer tipo de interesse, vim só aqui dizer-te que, tu não sabes quem eu sou, mas eu sei quem tu és e só precisei de um minuto da tua atenção para te dizer coisas que, pro bem ou pro mal, merecias saber.

    Por isso dou-te os parabéns, não só pelo vídeo que fizeste, mas sim e especialmente pela pessoa que és, fiel a ti mesma. E espero que saibas que há pessoas, como eu, que caminham por este mundo fora com um bocadinho de ti dentro delas. E esse bocadinho é um pouco como os tais pós de perlimpimpim, porque é um bocadinho que se faz sentir, que está mortinho por saltar cá pra fora, por tocar nos outros e transformá-los. E isso só pode ser magia. PLIM ;)

    beijinhos, ´
    Francisca.
    (desculpa o tamanho disto, acho que me entusiamei...)

    ResponderEliminar
  6. Nunca é demais referir num trabalho destes, MUITOS MUITOS PARABÉNS por todo o conjunto! Venham mais ;)

    *

    ResponderEliminar
  7. Francisca, não é justo fazeres-me corar e deitar uma lagrimita a ler coisas no meu próprio blogue, hein!?
    Ahahahaha! Que doce maravilha!!
    Acreditas que passei este fim-de-semana no Cadaval com outros monitores, o Henrique e etc? Tão bom que foi pegar nessa mesma guitarra, tocar, ouvir, sorrir. Olha, enfim... acho que só quem os frequentou é que sabe a magia e as micro-familias que se criam em apenas 15 dias de cada vez.
    O tempo no fundo é tão curto e alucinante, que acabamos por dar tudo de nós.
    Fizeste-me rir com a história dos lenços. Eu própria nunca fui fã de chapéus... mas como VOCÊS têm de os usar, consegui que o lenço passasse a moda. Nem sei quantos é que já ofereci à conta dos campos de férias.
    E quanto à "Epidemia do Se", continua a ser musica presente na minha vida, e que às vezes cantamos lá em minha casa (sim, o meu grupo de amigos é o grupinho de monitores do Cadaval, por isso podes imaginar o mundo imaginário em que vivemos, não é? Onde pessoas crescidas ainda tocam guitarra, adoram fogueiras e passar fins-de-semana a acampar só porque sim).
    Já viste o novo cancioneiro do site do Tempo de Aventura? Fomos para lá passar a noite há pouco tempo (os monitores), e gravámos as musicas todas, para que os mais saudosos, como neste caso tu, as pudessem ouvir em momentos de maior nostalgia: http://www.myspace.com/tempodeaventura
    Aí tens a tua Epidemia do Se, com a mensagem de que se te preocupares sempre com os "ses" da vida, ela acaba por não avançar nunca. Os riscos são para se correr, e é mesmo fora da nossa zona de conforto que encontramos as maiores emoções.
    Bolas, nem sei o que mais te diga... Obrigada pela mensagem... foi muito especial ouvir de ti.
    Sim, sou Ana Luisa para todos, mas no micro-grupo do dia-a-dia, continuo a mesma "Marafada", alcunha que ganhei por lá e que ninguém quer largar. :)

    Obrigada por apareceres do nada e por me fazeres o dia mais especial!
    ***

    PLIM*

    ResponderEliminar
  8. Estupefacto...
    ... vim à net à procura da letra e versão original da música "epidemia do se" , e venho cair de páraquedas no link para este blog e este post... sim porque tive de andar à procura no meio do texto e acabei por ficar por dentro da vivência entre as duas...

    Mesmo sem ter conseguido a 100% a minha procura, e, sem me querer meter na vossa partilha, nem fazer de voyeur a cuscar nos posts que não são relacionados comigo, não posso deixar de agradecer a esta amizade entre a autora do blog e a antiga animanda...

    ... eu também comungo do mesmo estilo de vida das duas: o de saborear as pegadas dos que me antecederam e directa ou indirectamente marcaram a minha vida, e também de viver pelo que nos faz voar e ser feliz... sem dependência de "se's"...

    É mesmo brutal a influência a tão longo prazo e tão distante que pode chegar a nossa forma de estar na vida... e são por vezes pequenas atitudes nossas que podem marcar tão profundamente outro(s).


    MUITO OBRIGADO!

    ResponderEliminar