We all want to be young!



Já sofri tanto por não saber o que é que há de mal comigo. No fundo, veio por influência... "Ana Luisa, quando é que paras e te especializas numa só coisa?", "Ana Luisa, mas o que é que tu és afinal? Qual é a tua profissão principal?", "Ana Luisa, como é que eu te apresento?", "Ana Luisa, o que é que 'tás prái a inventar agora?" , "Ana Luisa, afinal quantos cursos é que queres fazer? Se fosse por ti, passavas a vida a estudar".
Nunca me consegui rotular de forma simples. Simplesmente porque não gosto de rótulos, gosto que me deixem em paz, a fazer as coisas que me dão prazer. Às vezes, quando estou naqueles dias em que não tenho paciência, digo simplesmente que sou professora, porque é a profissão mais normal dentro de tudo o que faço, e a que não levanta mais questões.
Depois, olho para o lado. Tenho amigas completamente esclarecidas no que são e no que querem ser "quando forem grandes". Parecem-me felizes, e invejo-lhes isso. Essa organização de vida, os planos de futuro. Eu sou perseguida por uma ansiedade crónica e ambição desmedida. Isto, no geral, resulta em muitas noites sem dormir, mas é divertido 'pra caraças.
Não sei quem está mais certo. Eu ou elas. Mas o facto é que as admiro, e ao mesmo tempo estou feliz com as minhas escolhas.
Ao ver este vídeo, fui inundada por um relaxamento geral do meu corpo. Já há um nome para o que eu sinto que sou...  há mais como eu... e não faz mal querer sempre o desconhecido e ser para sempre um experiencialista.
Love, Lu*

I have suffered so much for not knowing what's wrong with me. In the end, my uncertainties came by influence... "Ana Luisa, why don't you just pick a field and stick to it?", "Ana Luisa, what are, you in the end? What is your main job?", "Ana Luisa, how should I present you?", "Ana Luisa, what are you making up this time?", "Ana Luisa, how many courses do you want to take? If you could, you'd be a student for the rest of your life".
I could never say who I am in a simple way. It happens just because I don't like tags or labels. When I don't have the patience to explain, I just say I am a teacher, because it is the most normal thing to be amongst all the things I do. And it doesn't bring up anymore questions. I want to be left alone, and just take pleasure from all the things I love. 
Then, I look at my side. I have friends who clearly know what they want to do and be when "they grow up". They look happy, and sometimes I envy that. That life planning and organization. I am being followed by a chronic anxiety and no limits ambition. Well, which in the end results in lots of sleepless nights, but it sure is fun.
I don't know who is right or wrong. But the thing is that I admire them, and at the same time, I am happy with my choices.
Seeing this video, made me feel so relaxed that I can't even explain. There is a name to what I feel like I am... there are more like me... and that there is nothing wrong in always wanting the unknown, and in being forever an amateur, and experiencialist.
Love, Lu*

17 comentários:

  1. Adorei o vídeo, ainda bem que as coisas estão a mudar! Se é para sermos mais felizes acho que a evolução é uma coisa tão boa!

    Compreendo bem aquilo que dizes. Quando estava a acabar o curso, olhava para aquelas pessoas que estavam constantemente insatisfeitas e sempre a querer mudar de cursos e pensava que "não batiam bem da cabeça" e felizmente que eu não era assim! Agora, depois de já ter trabalhado um ano e estando sem emprego, acho que já não tenho assim tantas certezas e (fuck!) é complicado! Acho que pessoas como tu se sentem muito mais realizadas, livres e felizes. A mim parece-me, cada vez mais, que trabalhar das 9 às 18h, sempre no mesmo sítio, sempre com as mesmas pessoas é uma seca e dá cabo das capacidades mentais de qualquer um. Acho que nos resta tenta encontrar paz interior e aquilo que nos faz mais felizes mas que é difícil é, e, infelizmente, nem todos o conseguem **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ju, obrigada pela resposta :)
      Sim, de facto tenho muita sorte em fazer o que gosto, mas tem em mente que não é sinónimo de dinheiro... aliás, é uma batalha constante, porque é uma aventura recente.
      Tenho a escola onde dou aulas 2 a 3 vezes por semana que é o meu dinheirinho fixo.
      A verdade é que sou mesmo muito feliz com as minhas escolhas, mas é um passo difícil de dar, especialmente com as notícias negativas com que somos bombardeados diariamente. O meu segredo passou um pouco por deixar de ver televisão e viver numa "bolha" onde sou a minha própria "gate keeper". Só entra a má energia que eu deixar. :)

      Eliminar
  2. Ana, nem imaginas como este texto me tocou agora :) Desde miúda que o que eu queria era investigação, trabalhar num laboratório, fazer experiências... toda eu transpirava ciência e achava que só estaria bem em ciência. Meti-me nesta vida, estou há 6 anos na área que sempre achei ser a que queria para mim e olho para tudo isto, para esta vida que me rodeia e penso: 'mas o que é que eu estou a fazer aqui?'. Acho a ideia de continuar apenas como investigadora, ou cientista, ou o que queiram chamar, demasiado redutora para tudo aquilo que quero fazer e que sei que sei fazer... por isso entendo-te, mesmo bem... e este vídeo foi algo esclarecedor :)

    Beijinhos,
    Catarina.

    http://day-dreamer.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão bom quando descobrimos que a ambição que está em nós não é um problema e sim algo de positivo, não é?
      Agora cabe-te a ti descobrir o que fazer com toda essa energia acumulada :)
      Hobbies, projectos a solo que possas desenvolver nas horas vagas. Vais ver que isso vai influenciar em muito a disposição e que vais mais feliz para o trabalho de cientista :)
      Beijinhos e abracinhos!

      Eliminar
  3. Nem sabes o quanto me consegui rever no que escreveste. Também já ouvi mais vezes do que aquelas que suporto com um sorriso o "se fosse por ti estudavas para sempre". Pois estudava, e daí? Estou sempre insatisfeita no que diz respeito ao nível de conhecimento que possuo. Há tanto que não sei e que não conheço, por isso estou sempre à procura de coisas de novas que preencham algumas lacunas. Quando descobri que este sentimento se deve (supostamente) ao facto de ser Mellenial, também me senti muito melhor.

    Também não me consigo rotular facilmente. Não sou uma só coisa, uma só profissão; sou o que for preciso que seja. Tinha uma colega na escola que soube desde sempre que ia ser médica e nunca percebi como é que se pode viver toda a vida a saber o que acontecer no futuro: que profissão vamos ter, com quem vamos casar, onde vamos viver. Ela sabia tudo isso e tudo aconteceu dessa forma. Fico contente por ela, claro, mas fico ainda mais feliz por a minha vida ser como é. :)

    http://joanofjuly.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que comentário gostoso :)
      E és uma pessoa muito talentosa, Catarina.
      Só vivemos uma vez... E se gostamos de milhares de coisas ao mesmo tempo, porque não explorar tudo isso até descobrirmos onde somos realmente bons?
      Vê isto! http://www.youtube.com/watch?v=xfq_A8nXMsQ
      Vai animar o teu dia! :D

      Eliminar
  4. Obrigada por me teres feito perceber que também não era a única!
    Às vezes o mais importante é saber que não estamos sozinhos nas nossas dúvidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que bom que foi descobrir todo o vosso feedback neste blog post! :D
      É bom saber que há mais gente desse lado também*

      Eliminar
  5. De futuro, responde que és "DaVinciana" ou mulher-dos-sete-ofícios ou multifacetada ou polisectorial. Soam a coisa complexa que cala perguntas a mentes menos... um... «diversificadas»! (Afinal, ninguém quer admitir a própria ignorância - a não ser aqueles seres raros que têm noção de que «saber que nada se sabe» é um resumo da condição humana - e esses não fazem perguntas mal encaminhadas :P)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahahaha! Já tinha tantas saudades de um comentário teu!
      Vou seguir o conselho e depois digo-te como correu ;)
      Quero o Poplex de volta.

      Eliminar
  6. Eu e a Catarina cientista devemos ser almas gémeas :) Ou então é um sentimento causado por muitas horas num laboratório a practicar a tentativa-e-erro!! :)

    Ana, gostava de ter a tua coragem para me dedicar a todos os projectos que imagino na minha cabeça ao mesmo tempo! Talvez um dia ;) Cá por dentro também me sinto uma "experiencialista", só falta ser com letras grandes como tu!

    Boa sorte!!! Continua!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. By Pomegranate, ri-me tanto com a primeira parte do teu post :p acho que não tem muito a ver as muitas horas que se passam no laboratório porque a maior parte das pessoas com quem trabalho não sente esta 'insatisfação' que eu sinto, este sentir-me presa a esta vida e este querer fazer mil projectos ao mesmo tempo. E quem sabe, talvez sejamos mesmo 'almas-gémeas' :)

      Beijinhos,
      Catarina.

      http://day-dreamer.blogs.sapo.pt/

      Eliminar
    2. hahahah... bypomegranate, começa com as pequenas coisas. Não quero que deixes tudo o que tens e que partas à aventura! É um risco demasiado doido, e eu muitas vezes pago preços muito duros, acredita.
      Falta de dinheiro é o mais chato de todos.
      Mas experimenta pequenas coisinhas e vai descobrindo. Quem sabe não descobres o teu rumo nas entrelinhas?*
      :)

      Eliminar
  7. Revejo-me no que escreveu e adorei o vídeo.
    Desde sempre que não sei o que gostaria de ser ou de fazer... Tenho 36 anos e cada vez tenho mais dúvidas do que sou ou do que gostaria de fazer!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Não tenhas sentimento de culpa se não sabes o que queres da vida. As pessoas mais interessantes que conheço não tinham, aos 22 anos, ideia do que fariam na vida. Algumas das pessoas mais interessantes que conheço têm 40 e ainda não sabem.".

      Este vídeo é a minha bíblia.
      http://www.youtube.com/watch?v=xfq_A8nXMsQ

      Eliminar
  8. Aparentemente, não sou a única no clube. É terrivel esta sensação de me querer meter em tudo, fazer coisas diferentes - chegar até a pensar que se não tivesse tirado o curso que tirei e tivesse feito outro. Resultado: stresse, não sei para onde me virar (a ajudar uma grande falta de concentração e planeamento), não ter tempo para nada e acabar as noites sentada no sofá por não saber para onde me virar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A internet é um mundo, Milk Woman.
      Explora, faz uma lista das coisas que mais gostas de fazer e que mais te fazem feliz.
      Experimenta aqui e ali até te encontrares. :)

      Eliminar