Light and magic*


A luz dos Açores tem qualquer coisa de mágico. E mamãs ao pôr-do-sol também. Tudo é luz, esperança e amor. Obrigada ilha de Santa Maria, por um dia como este... obrigada Tânia, por seres tão linda.
Love, Lu*

There is something magical on the Azores islands lights. And in future moms too. Everything is light, hope and love. Thank you, Santa Maria island, for a day like this one... and Thank you Tânia, for being so beautiful.
Love, Lu*

Folha de ouro // Golden leaf


Olá a todos, aqui Fedra de volta das férias, e pronta para mais um DIY. As férias foram curtas mas boas, ora espreitem aqui.
Esta semana trago-vos um DIY três chic!! Oh la la!!
Douramento ou folheação de peças. Como esta técnica podemos transformar peças simples em objectos super elegantes!



Adoro folha de ouro, tenho feito imensos trabalhos com ela e resolvi mostra-vos os passos base para a aplicação deste material.
Outrora um material usado só para determinado tipo de peças, hoje em dia encontramos cada vez mais ideias modernas para o usar.
Escolhi reciclar umas taças simples de madeira que tinha aqui por casa, mas podem usar outro tipo de peça, seguindo os mesmos passos.



A técnica é simples, requer alguma paciência e o acabamento vai depender do resultado final que pretendem. Aqui após o douramento, apliquei uma camada fina de mod podge (clica aqui para a receita de mod podge caseiro), para selar as peças. Podem também usar acabamentos como goma laca ou betume judaico.
Além da folha de ouro, existe também folha de prata e cobre.
Para este DIY vão precisar de:


- 1 livro de folha de ouro;
- Verniz mordente (solúvel em água) ou siza;
- Tintas acrílicas (solúvel em água);
- Pincel leque;
- Pincel para acrílicos;
- Pó talco;
- Lixa fina;
- Taças em madeira;


Começa por lixar levemente as peças. Como as minhas taças eram envernizadas teve mesmo que ser. Depois pinta com as tintas acrílicas toda a peça. Neste caso escolhi branco e preto mas pode ser qualquer cor. Deixa secar bem entre camadas.



Depois de seco, começamos o processo de douramento ou folheação. Aplica uma demão fina de verniz mordente sobre a superfície limpa de pós e seca. Aguarda cerca de 10m ou até ficar transparente.
Nota: Aderência necessária para aplicar a folha de ouro - nem demasiado pegajoso nem excessivamente seco.



Antes de começares envolve bem as mãos em pó talco (isto vai evitar que a folha de outro se cole as tuas mãos, não queremos desperdiçar nada!). Começa a aplicar a folha de outro, usando o pincel leque, por partes até cobrir toda a superfície pretendida.
Nota: Para que a folha de ouro saia facilmente molha-se um pincel e põe-se a folha que ela adere muito bem.



Deixa secar bem. Com a ajuda do pincel leque, remove toda a folha de ouro solta. Guarda esses pedacinhos de folha de ouro, de certeza que os vais utilizar numa outra vez!

Divirtam-se!!
Fedra

Autora: Fedra // Fotos: Fedra


Hello everyone, it’s Fedra back from, short but good, vacation and ready to DIY! Take a peek at my vacay here.
This week I bring you a três chic DIY!! Oh la la !!
Gold leaf! With this technique we can transform simple pieces into super elegant objects for your home decor!
I love gold leaf, I have done loads of work with it and decided to show you the basic steps for the application of this material. Once it was a material used only for certain types of pieces, today we find more and more modern ideas to use this material.
I’ve chosen to recycle a few simple bowls of wood that had around here, but you can use other kind of pieces, following the same steps.
The technique is simple, requires some patience and the finish will depend on the end result you want. Here after gilding, I applied a thin layer of mod podge (click here for the recipe for homemade mod podge), to seal the pieces. You can also use finishes like shellac or a patina.
Apart from gold foil, also exists silver foil and copper foil.
For this DIY will need:
- 1 book of gold leaf;
- Gold leaf varnish (water soluble);
- Acrylic paints (water soluble);
- Fan brush;
- Acrylic brush;
- Baby powder;
- Fine sandpaper;
- Wooden bowls

Start by lightly sanding the pieces. My wood bowls were varnished so they had to be sanded. Then paint with acrylic paint the entire piece. In this case I chose white and black but can be any color. Let dry thoroughly between coats.
Once dry, begin the process of gilding. Apply a thin coat of varnish on a clean and dry surface. Wait about 10m or until translucent.
Note: Adherence needed to apply gold leaf - neither too sticky nor too dry.
Before you start, involve your hands in baby powder (this will prevent the foil from sticking to your hands, we do not want to waste anything!). Begin the application with the help of the fan brush , and cover the entire surface you want.
Note: to peel of gold leaf easily get wet a brush and stick it to leaf it adheres well.
Let dry thoroughly. With the help of the fan brush, remove all loose gold leaf. Keep those loose bits of gold leaf, definitely gonna use that another time!
Have fun !!
Fedra

Author: Fedra // Photos: Fedra

Dreaming big... - Style post




Uma vez, em miúda, sonhei que o meu pai me estava a mostrar a nossa futura casa. Lembro-me de ter uma porta bonita, de madeira, e que ao abrir, via uma parede em tom laranja claro e uma escada também de madeira. Só isto. Apenas isto.
Lembro-me de estar contente, mas ao mesmo tempo frustrada porque neste sonho, não estava a conseguir abrir completamente os olhos. Fazia força, mas só conseguia estar com eles semicerrados. Tentei ajudar com as mãos, e nada.
No dia seguinte, acordei e contei isto ao meu pai. Ele disse-me que isso tinha sido o futuro a abrir-se à minha frente. Que o futuro tinha aberto uma frecha pequenina e tinha-me deixado espreitar um bocadinho do que me esperava. Que às vezes isso acontecia.
Achei piada, embora não tivesse acreditado naquilo. Mas era algo ao mesmo tempo tão bonito, que fiquei sempre na expectativa. Uns anos mais tarde, a verdade é que nos mudámos para uma casa com uma porta de madeira, que ao abrir deixava ver uma parede laranja, e uma escada também de madeira. Esta é das coincidências mais giras que alguma vez me aconteceram na vida, e penso muitas vezes nisto.
Hoje entrei no Vertigo pela primeira vez e senti que gostava que aquele espaço fosse meu. Não sei se foram as paredes abertas com o sistema de gaiola à mostra, se foram as cadeiras antigas todas diferentes, ou a mesa junto à janela... Por vezes, quando visito espaços como este, este ou este, sinto que está no meu destino ter um assim também. Não sei se lêem o Doce para o meu Doce desde o início, mas esta sempre foi uma das ideias que impulsionou o seu nascimento. Desde miúda que gostava de ter uma padaria! Sim, isso mesmo... Não estou a brincar.
Vejo-me em sonhos tantas vezes sentada numa mesa ao fundo de um café, a trabalhar ao computador e a observar as pessoas que entram, que vão ao balcão, que se sentam com os amigos, família ou com um bom livro. Nestes sonhos, sinto-me feliz ao olhar em meu redor. Aquele espaço do meu sonho é meu.
E a parte de sonhar é tão boa. As coisas ainda são simples, ainda não começaram, e permitem-nos querer o mundo.
E aquele arrepio na espinha que nos dá pele de galinha e que nos faz pensar "será, será?"... Não aconteceria se o futuro decidisse aparecer e estragar a festa toda.
Ok. Pronto. Não quero ver para além dos meus sonhos acordados. Quero tê-los cada vez mais bonitos, consistentes, fortes até serem palpáveis. Quem quer já marcar lugar na inauguração? :)
E qual é o vosso sonho louco?***
Love, Lu*


Fotos // Photos: Marta Dreamaker
Colar // Necklace: Si Atelier
Anéis // Rings: Berska
Top: Stradivarius
Saia // Skirt: Kling
Mala // Bag: Kling


One day, when I was younger, I dreamt that my dad was showing me our new home. I remember dreaming that it had a beautiful wooden door, and that when he opened it, it showed an orange wall with a wooden staircase. Just this.
I remember being happy, but at the same time frustrated, cause I couldn't see it clear. My eyes were half shut.
I tried helping with my hands and nothing happened.
On the next day, I told my dad about my dream. He said that it meant that the future had let me see through it. That it had opened its doors for me a little bit and let me see what was coming my way.
I thought it was funny though I didn't believe it. But at the same time, it was something so beautiful, that secretly I kinda always waited around to see. A few years later, the fact is that we moved to a new home, with a wooden door, orange wall inside, and wooden staircase just like the one in my dream. This is by far the best coincidence of my life and I think about it once in a while.
Today I got into Vertigo café for the first time, and I felt like I'd hope that space would be mine. I don't know if it was the opened walls, the old chairs or the table near the window... But sometimes, when I visit places like this, this or this, I feel like its in my destiny to also own one one day.
I don't know if you've been reading Doce para o meu Doce blog long enough, but this is one of the things that actually helped having a blog: The dream of having a bakery one day! Yep... no kidding.
I see myself in dreams, sitting far in a corner of my cafe, working on the computer and observing the people that come in, go to the counter and then sit with their friends, family or with a good book. In these dreams, I feel happy. That space is mine.
And the dreaming part is so good. Things are still simple, haven't started yet, and allow us to want the world.
And those goose-pumps down our spine that make us think "will it happen, will it happen?"... They wouldn't happen if Mr Future showed up to ruin the party, right?
Ok. There. I do not wish to see beyond my awaken dreams. I want to have them more and more beautiful each day, consistent, strong until they become palpable. Would you like to save a seat at the inauguration party right now? :)
What is your crazy dream?
Love, Lu*

Rooftop




Descobri que tenho o melhor telhado do mundo. E a musa mais linda.
Love, Lu*

I just found out that I have the best rooftop in the world. And the most beautiful muse. 
Love, Lu*

LOVE WHAT YOU DO OR DO WHAT YOU LOVE? THAT’S THE QUESTION.

Eu (Fedra) adoro esta máxima, mas questiono-me muitas vezes se a devemos levar assim tão à letra.
Há cerca de duas semanas magoei um pé. Nada de grave, mas o suficiente para ser obrigada a ficar em casa, sentada ou sentada. Um terror para mim. Não consigo estar parada muito tempo, estar dependente de outros, seja para o que for. E quando não podemos fazer nada parece que nos apetece fazer tudo.
São estes os momentos que me fazem parar para pensar. Ponderar no que poderia fazer e não faço, quando posso fazer tudo. A rotina do dia-a-dia, por vezes faz-me esquecer o mais importante e às vezes temos que parar e avaliar a nossa vida.
Adoro artes, pintura, design e afins. É sem dúvida a minha paixão. Porque é que não segui este caminho? Não sei. Acho que estou sempre a tentar evitá-lo, tenho medo, dúvidas. Será que fazer o que amamos depende de amar o que fazemos? Ou seja, para nos sentirmos realizados temos que amar o que fazemos e fazer o que amamos em simultâneo? Será que não podemos ter o melhor dos dois mundos?
Desde pequena, que ouço a família dizer que tenho “queda para as artes”. Será vocação? É aqui que me sinto como peixe na água, como passo tardes, dias e noites a fio em que nem sinto as horas passar. Se entendermos por vocação, saber que queremos fazer algo para além de tudo, que o fazemos em qualquer condição e que o resultado final será de excelência, então estou certa que esta é a minha vocação.



As artes são a minha zona de conforto, mas também de desconforto, porque continuo a questionar-me se será este o caminho certo. Seguir uma paixão é imperativo para uma vida mais feliz e realizada? Simplesmente aprender a gostar do que fazemos, à parte das nossas paixões, também pode ser uma opção?





Nunca é tarde para novas decisões e mudar o rumo da nossa vida. Há que acreditar que existem sempre portas que não se fecham e possibilidades escondidas que aguardam a altura certa para se revelar.
Independentemente das decisões que possa fazer, há duas regras que nunca esqueço:
· Fazer o que gosto, mais vezes. Muitas vezes. De facto: todos os dias.
· Não complicar demasiado e tentar levar uma vida simples.






Para ilustrar este post, escolhi um vaso de “catos” com pedras pintadas à mão. Para quem gosta de catos como eu, este é um DIY simples e muito engraçado (até para fazer com crianças!). O que acham?

Para fazer este DIY, vão precisar de:
- Pedras de vários tamanhos e formatos;
- Tintas acrílicas;
- Vaso de terracota;
- Pincéis;
Pinta as pedras. Deixa secar e faz pontinhos, estrelinhas e listas com a cor acrílica branca.
Coloca no vaso, com terra ou areia e dispõe as pedras como catos verdadeiros!
- Tenham uma boa semana!

Autora: Fedra // Fotografia: Fedra


I love the quote LOVE WHAT YOU DO AND DO WHAT YOU LOVE, but I often wonder if I should take it as is.
About two weeks ago I hurt a foot. Nothing serious, but was enough to be forced to stay at home, sitting or sitting, which is terrifying to me. I hate being still for a long time or being dependent on others. And when we can’t do nothing feels like doing everything.
These are the moments that make me think. Think about what I could do and don’t do, when I’m allowed to do everything. The day-to-day routine sometimes makes me forget the most important and occasionally we have to stop and evaluate our lives.
I love art, painting, design and everything artsy. It is certainly my passion. Why haven’t I followed this path? I do not know. I think I'm always trying to avoid it, maybe by fear. Do what we love to love depends on loving what we do? I mean, do we have to love what we do and do what we love at the same time, to be accomplished? Can’t we have the best of both worlds?
Since childhood, I hear the family say that I’m the artsy type. IS this my calling? It is here that I feel like a fish in water, spend endless afternoons, days and nights and don’t feel the hours pass. If we understand by calling, knowing that we want to do something beyond everything we do in any condition and that the end result will be excellent, so I'm sure that this is my calling.
The arts are my comfort zone, but their also uncomfortable because I keep questioning myself if this is the right way. Following a passion is imperative for a more happy and fulfilled life? Simply learn to like what we do, apart from our passions, may also be an option?
Is never too late for new decisions and change the course of our life. We must believe that there are always unclosed doors and hidden possibilities awaiting for the right time to reveal itself.

Regardless of the decisions you can make, there are two rules that I never forget:
• Do what you like, more often. Often. In fact: every day.
• Do not complicate too much and try to lead a simple life.

To illustrate this post, I chose a potted stone “cactus” hanpainted. For those who like cactus like me, this is a simple and very funny DIY (even to do with kids!).
It’s super cute. What do you think? 

To do this DIY, will need:
- Stones of various sizes and formats;
- Acrylic paints;
- Terracotta pot;
- Brushes;

Paint the stones. Let dry and makes dots, stars and stripes with white acrylic color.
Put in pot with soil or sand and palce the stones as real cactus!
Have a good week!


Author: Fedra // Photography: Fedra

Wedding photos - Betty e Ricardo

Este foi mais um casamento que me deixou de coração cheio... A Betty e o Ricardo vão viver para o Dubai, e a sua festa foi uma celebração de força, de amor, e de um até já com lágrimas de carinho...
 Desejo-vos tudo do melhor o que o mundo vos pode dar*





Love, Lu*